Notícias

Prêmio Ernesto Paterniani 2017

publicado em

         No último dia  14 de Agosto, na solenidade de Abertura do 9º Congresso Brasileiro de Melhoramento de Plantas, foi entregue o Prêmio Ernesto Paterniani ao Dr. Romeu Afonso Kiihl. O pesquisador Romeu Kiihl é um dos mais importantes nomes da sojicultura brasileira. Se o Brasil hoje é o segundo maior produtor de soja do mundo, é fruto do trabalho de Kiihl. Nascido em Caconde (SP), na divisa entre São Paulo e Minas Gerais, em 9 de fevereiro de 1942, seu primeiro contato na agricultura foi com o café. A ligação com a soja começou apenas nos estudos de agronomia. 
           Dr Romeu possui graduação em Engenharia Agronômica pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (1965), mestrado em Melhoramento Genético de Plantas pela Mississippi State University (1968), USA, tendo obtido o título de Doutorado na mesma Instituição (1976). Atualmente é Pesquisador da Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária de Mato Grosso e Pesquisador da TMG Tropical Melhoramento e Genética Ltda. Tem experiência na área de Agronomia e Melhoramento de Soja com 208 cultivares de soja registradas no Brasil. Atuando principalmente nos seguintes temas: Fotoperiodismo, Soja, Mosaico. Dr Romeu desenvolveu pesquisas com cultivares de soja adaptadas às várias latitudes e às várias regiões ecológicas do Brasil com ênfase a resistência a doenças e nematóides. Atualmente os seus trabalhos concentram-se na reunião de vários genes para resistência à ferrugem asiática da soja em um mesmo genótipo (com o auxílio de marcadores moleculares), assim como a combinação de resistência a nematóides de cisto (várias raças) e nematóides formadores de galha. Pela TMG participou do desenvolvimento da tecnologia “inox” para controle de ferrugem e do lançamento de cultivares de soja com resistência ampla ao nematoide de cisto (nove raças).
          Durante a solenidade de entrega do Prêmio, o Pesquisador ressalta que ainda há muito a ser feito: “Seremos os maiores produtores de soja do mundo, eu não tenho dúvida. Olhando para tudo, eu ainda acho que estou no meu auge, mesmo com mais de 70* anos. Eu trabalho como se estivesse começando hoje”, completa Kiihl.